Historial

A APCVC presta apoio a crianças (a partir dos seis anos), jovens e adultos com paralisia cerebral e situações neurológicas afins em todos os concelhos do distrito, em regime ambulatório, numa dinâmica de intervenção de apoio ao nível psicossocial, educacional, na transição para a vida ativa, no posto de trabalho e na reabilitação neuro-motora.

 

Corria o ano de 2002 quando um grupo de pais de crianças com paralisia cerebral, juntamente com técnicos da Segurança Social e alguns elementos do Hospital de Viana do Castelo, se reuniu e criou uma comissão instaladora que permitiu avançar com o projeto da Associação de Paralisia Cerebral-Núcleo de Viana do Castelo. “No mesmo ano, a comissão instaladora conseguiu criar este núcleo, com o apoio da doutora Graça Andrada, presidente nacional da Associação Portuguesa de Paralisia Cerebral”.

O distrito de Viana do Castelo, composto por dez concelhos, tinha muitas carências ao nível da reabilitação em paralisia cerebral e, até ao ano de 2005, todas as crianças, jovens e adultos com esta deficiência eram acompanhados pela APPC do Porto. Esta associação veio desta forma colmatar algumas necessidades ao nível do distrito. “Começou-se a partir do nada. Numa primeira fase, constituiu-se os órgãos sociais, posteriormente procurou-se um espaço e estabeleceu-se um protocolo com a Segurança Social para funcionamento no chamado regime ambulatório, que existe atualmente”.

O acordo foi celebrado em agosto de 2005 o que permitiu a abertura das portas da instituição a todos os utentes no dia 3 de outubro do mesmo ano.

Atualmente, a APCVC funciona em regime ambulatório para crianças a partir dos seis anos de idade, jovens e adultos com paralisia cerebral. As crianças com idades inferiores a seis anos continuam a ser apoiadas pela APC do Porto, “isto porque para essa faixa etária é exigido um acordo específico, o chamado acordo de intervenção precoce, que a APCVC ainda não tem”.

Conhecer todos os casos precocemente é muito importante quando se fala em paralisia cerebral. Esta é uma lesão ou malformação não evolutiva do sistema nervoso central que acontece, geralmente, antes do desenvolvimento total do cérebro. “A APCVC apoia casos de paralisia cerebral ou outra patologia neuro motora de origem central, com características semelhantes.

Pretendemos sensibilizar a comunidade do nosso distrito para esta problemática, dando a conhecer o nosso trabalho, e desta forma ajudar a detetar atempadamente o maior número possível de casos.”

 

O acordo em vigor com a Segurança Social abrange 200 utentes, mas são 219 os que atualmente estão em apoio nesta associação. A resposta aos utentes é dada não só no centro, na chamada reabilitação neuro-motora, mas também, nos diversos contextos de vida (educacional, laboral, residencial, etc.).

A equipa técnica atual é composta por duas terapeutas ocupacionais, uma terapeuta da fala, uma fisioterapeuta, uma técnica de serviço social, uma psicóloga e um diretor técnico.

Para além da reabilitação neuro-motora em regime ambulatório e das intervenções ao domicílio, a APC de Viana do Castelo estabeleceu uma forte parceria com as escolas da região.

 

A APCVC estabeleceu parcerias com o Centro Hospitalar do Alto Minho, atual Unidade Local de Saúde do Alto Minho, assim, há no Centro de Reabilitação consultas feitas por um médico pediatra do desenvolvimento e um médico fisiatra. Elaborou avenças com três médicos que se deslocam à APCVC uma vez por mês; uma neuropediatra, um ortopedista infantil e um neurologista de Viana do Castelo.

O lema de trabalho da APCVC tem assentado no estabelecimento de parcerias e na angariação de sócios. Qualquer pessoa se pode tornar sócia da associação, para tal apenas necessita de se inscrever e contribuir com uma quota mínima anual de cinco euros.

Em agosto de 2011 foi celebrada a escritura de doação de um terreno na freguesia da Meadela, sendo este terreno doado pela Câmara Municipal de Viana do Castelo para a construção de raiz de um centro de reabilitação com diversas valências (Apoio em Regime Ambulatório, Centro de atividades Ocupacionais, Intervenção Precoce, Área Residencial).

Pretende-se candidatar um projeto a fundos comunitários para a construção do mesmo.

Necessitamos por isso do apoio de toda a comunidade para que este novo desafio seja concretizado.

 

Trabalhamos com e para a comunidade do distrito de Viana do Castelo e só cimentando uma rede de relações é que obteremos um maior êxito no nosso trabalho.